A ABPI promoveu no dia 02/09 o webinar “O Sistema de Inovação do Paraná”, inaugurando a série “Eventos das Representações” – encontros virtuais realizados pelas representações seccionais da ABPI, hoje presentes em oito estados brasileiros, com a finalidade de fomentar a discussão da Propriedade Intelectual no País.  Os palestrantes do evento foram o superintendente de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior do Estado do Paraná, Aldo Nelson Bona, e o secretário-executivo do Sistema Estadual de Parques Tecnológicos (Separtec), José Maurino de Oliveira Martins, com mediação de Cláudia Crisostimo, membro da Comissão de PI da OAB do Paraná. A mesa virtual foi integrada por Maria Inez Araújo de Abreu, representante seccional da ABPI no Paraná, e a conselheira e membro nato da ABPI, Juliana Viegas.

Em sua palestra Nelson Bona enfatizou que o Paraná tem um robusto sistema de Ciência & Tecnologia (C&T) vinculado, que transcende ao ensino superior. “É o segundo estado da Federação que mais investe em C&T e, de acordo com pesquisa feita pela Confederação Nacional da Indústria (CNI), o segundo que mais investe em inovação”, disse. Ele informou que o governo do Paraná está lançando um edital para selecionar patentes com maior potencial de mercado no âmbito do sistema estadual de Ciência e Tecnologia, hoje integrado por 18 iniciativas de parques tecnológicos, oito delas já em operação, e 15 universidades, entre públicas e privadas. As patentes selecionadas poderão contar com o apoio do estado para qualificar os seus autores, constituir empresas e receber aporte financeiro para os passos iniciais. “Temos um grande ativo de patentes concedidas e depositadas nas universidades que, do ponto de vista financeiro, é difícil de manter quando não se transforma em negócio”, explicou. “Nosso objetivo é transferir esta tecnologia para a sociedade de forma que gere riqueza e bem-estar social”.

Oliveira Martins detalhou em sua apresentação como o estado planejou a criação de seu complexo de Parques Tecnológicos, que tem como objetivo aproximar universidades, centros de pesquisa e empresas e estimular o desenvolvimento de pesquisa junto ao setor produtivo. Ele detalhou o sistema de governança do Separtec, que é amparado pelo Conselho Estadual de Parques Tecnológicos, órgão presidido pelo Governador do Estado e composto por 45 entidades representativas, entre governo, universidades, setor produtivo empresarial, institutos de pesquisas e de fomento. “Um muro separava a universidade do setor empresarial e o parque tecnológico é o potencial instrumento que pode propiciar a aproximação”, disse. “Somos construtores de pontes”, comparou.

Você pode assistir rever o evento completo no Canal da ABPI no Youtube.

VOLTAR
SEJA UM ASSOCIADO