O objetivo de reproduzir o ambiente de uma mediação envolvendo as partes em franco clima de negociação foi devidamente alcançado no Mediation Day, encontro virtual realizado, no último dia 23, pela Câmara de Mediação do Centro de Solução de Disputas da ABPI (CSD-ABPI). Durante mais de três horas, os 20 participantes debruçaram-se sobre um caso envolvendo a disputa de direitos autorais entre herdeiros de um compositor-músico e uma gravadora. “Trata-se da dramatização de um caso hipotético, mas coloca as pessoas em diferentes posições e faz elas sentirem como opera uma mediação, por isso funcionou muito bem”, avaliou Manoel J. Pereira dos Santos, presidente do CSD-ABPI.

O processo simulado de uma negociação tem como objetivo treinar os participantes – advogados, estudantes de direito e demais profissionais envolvidos com negociação – com as técnicas negociais, a comunicação, a busca do acordo, a convergência, para, enfim, chegar ao consenso, que é a finalidade da negociação. “É na prática que profissionais e partes se encontram e entendem a riqueza deste tipo de contribuição de um terceiro, que tem um outro olhar das disputas que entre eles se instaura”, explicou a advogada Nathalia Mazzonetto, coordenadora do Mediation Day, ao lado de Manoel J. Pereira dos Santos e de Cláudia Grosman e Rodrigo Azevedo, da Câmara de Mediação do CSD. “O exercício foi baseado em caso real judicializado e, ao se prepararem previamente, os participantes puderam ampliar as reflexões com seus pares e o mentor, um dos especialistas convidados”, analisou Cláudia Grosman.

Na dinâmica adotada no evento os participantes foram divididos em dois grupos, um representando os herdeiros e outro a gravadora. Participaram ainda dois mediadores, como facilitadores da negociação, as partes e seus advogados. O exercício de mediação se deu em quatro etapas.  Na primeira, cada grupo reuniu-se à parte para estabelecer suas estratégias. Na segunda, iniciaram o processo de negociação. Na terceira, reuniram-se separadamente com os mediadores. Na última etapa os grupos se juntaram e partiram para a negociação final.  “Foi um exercício muito bom, pois cada um assumiu bem o seu papel”, disse Pereira dos Santos. “A ideia é que a pessoa vivencie o papel do mediador, das partes e do advogado e entender como funciona a mediação.”

Mediation Day contou ainda com o suporte dos especialistas Cláudio Lins de Vasconcelos, Domingos Refinetti e Marcello do Nascimento. Ao final, Isabel Cantidiano e Manoel J. Pereira dos Santos fizeram comentários na qualidade de observadores.

SEJA UM ASSOCIADO